Be safe

GTA

Segue o posicionamento da Sancor Seguros, o qual foi informado a central de atendimento da GTA:
Sobre cancelamento de viagem devido o Coronavírus:

Se o cancelamento for por motivo de contaminação pelo vírus e enquanto o mesmo não for declarado como Epidemia/Pandemia pela OMS, cobriremos o cancelamento. Mas, se o cancelamento ocorrer por “precaução” ou por “medo” de viajar e se contaminar, não haverá cobertura.

Quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou a situação como “Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional”, a Seguradora proporcionou as seguintes coberturas:

  • 1. Cobertura de DMHO: Pessoas com sintomas de gripe, apenas, serão atendidas normalmente e, se for confirmado o Coronavírus , será realizado o acompanhamento com os órgãos competentes do país onde o segurado se encontra.
  • 2. Cancelamento de viagem: se o motivo do cancelamento for o diagnóstico de Coronavírus no Brasil, haverá cobertura. Não haverá cobertura para qualquer outro
    pedido de cancelamento referente a esta patologia, como por exemplo: receio de contrair a enfermidade em viagem.
  • 3. Interrupção de viagem: se o motivo da interrupção for o diagnóstico de Coronavírus em viagem, haverá somente cobertura de retorno ao país de origem (Brasil). Caso a interrupção seja decorrente de “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus, só haverá cobertura quando o destino final seja a região afetada da China.

A partir do momento em que a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou uma pandemia (epidemia generalizada mundialmente), a Seguradora disponibilizou as seguintes coberturas:

  • 1. Cobertura de DMHO: Pessoas com sintomas de gripe, apenas, serão atendidas normalmente. Se for confirmado o Coronavírus, a cobertura terminará após
    confirmação do diagnóstico. Ou seja, não haverá cobertura para tratamento médico, sendo responsabilidade dos órgãos competentes para tal fim. Por isso, somente será coberto o atendimento até a confirmação do diagnóstico.
  • 2. Cancelamento de viagem: não haverá cobertura tanto para motivo de diagnóstico de Coronavírus no Brasil, quanto para “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus.
  • 3. Interrupção de viagem: não haverá cobertura tanto para motivo de diagnóstico de Coronavírus em viagem, quanto para “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus.

Procedimento para cancelamento de voucher GTA:
Com relação ao cancelamento do voucher, este, por sua vez, será transformado em crédito para o passageiro utilizar em uma nova emissão.

Se o cancelamento (de viagem) for por motivos de contaminação pelo vírus e enquanto o mesmo não for declarado como Epidemia/Pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde), será feita a cobertura (as multas geradas em relação a hospedagem e aéreo, de acordo com o que rege nossas Condições Gerais) do cancelamento. Mas, se o cancelamento ocorrer por “precaução” ou por “medo” de viajar e se contaminar, não haverá cobertura do benefício:

“Cancelamento de Viagem”
Caso o passageiro desista da viagem e a vigência ainda não tenha sido iniciada, o Bilhete de seguro Affinity poderá ser cancelado e o valor estornado ao passageiro.
Quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou a situação como “Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional”, a Seguradora proporcionou as seguintes coberturas:

  • 1. Cobertura de DMHO: Pessoas com sintomas de gripe, apenas, serão atendidas normalmente e, se for confirmado o Coronavírus, será realizado o acompanhamento com os órgãos competentes do país onde o segurado se encontra.
  • 2. Cancelamento de viagem: se o motivo do cancelamento for o diagnóstico de Coronavírus no Brasil, haverá cobertura. Não haverá cobertura para qualquer outro pedido de cancelamento referente a esta patologia, como por exemplo: receio de contrair a enfermidade em viagem.
  • 3. Interrupção de viagem: se o motivo da interrupção for o diagnóstico de Coronavírus sem viagem, haverá somente cobertura de retorno ao país de origem (Brasil). Caso a interrupção seja decorrente de “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus, só haverá cobertura quando o destino final seja a região afetada da China.

A partir do momento em que a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou uma pandemia (epidemia generalizada mundialmente), a Seguradora disponibilizou as seguintes coberturas:

  • Cobertura de DMHO: Pessoas com sintomas de gripe, apenas, serão atendidas normalmente. Se for confirmado o Coronavírus, a cobertura terminará após
    confirmação do diagnóstico. Ou seja, não haverá cobertura para tratamento médico, sendo responsabilidade dos órgãos competentes para tal fim. Por isso, somente será coberto o atendimento até a confirmação do diagnóstico.
  • Cancelamento de viagem: não haverá cobertura tanto para motivo de diagnóstico de Coronavírus no Brasil, quanto para “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus.
  • Interrupção de viagem: não haverá cobertura tanto para motivo de diagnóstico de Coronavírus em viagem, quanto para “receio” do vírus ou cancelamento de evento em decorrência do vírus.

Com a declaração de Pandemia de COVID-19 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 11 de março de 2020, a Chubb informou que continuará oferecendo a cobertura de despesas médicas e hospitalares (DMH) para todos os viajantes que apresentarem sintomas do Coronavírus (COVID-19), durante o período da sua viagem.

A Seguradora recomenda a todos o segurados que apresentarem qualquer sintoma durante a viagem, que entrem em contato com a Central de Assistência ao viajante, nos números que constam no bilhete de seguro viagem para orientações.

Após a confirmação de presença do vírus, serão seguidos os protocolos da autoridade de saúde competente no país, sempre de acordo com as instruções da OMS.

Sobre os cancelamentos:
A Intermac Assistance, com o objetivo de preservar a saúde financeira de toda a cadeia, frente à onda de cancelamentos que estão sendo solicitados, transformará os valores dos vouchers já emitidos em créditos em Reais para novas emissões em um período de 2 anos.

Este crédito ficará vinculado à agência de turismo que realizou a emissão e poderá ser usado da forma que o passageiro desejar: novo destinos, upgrades ou planos superiores. Os pedidos de cancelamento devem ser enviados para o atendimento da Intermac, que será responsável pela geração de novos vouchers com seu respectivo crédito.

A Seguradora ressalta o compromisso com toda a rede de parceiros em atravessar este período de forma mais branda e responsável possível, para que se possa voltar fortalecidos quando tudo se normalizar.

Devido à declaração da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre a classificação do Coronavírus como uma pandemia global, a ASSIST CARD informa que vai seguir garantindo aos seus viajantes 100% das assistências médicas para casos e sintomas relacionados ao Covid-19.

Pensando ainda na tranquilidade dos passageiros, a ASSIST CARD, também oferece planos de assistência para viagens domésticas, que passam a cobrir passageiros a partir de 100 quilômetros de suas residências.

Procedimento para cancelamento de voucher Assist Card:
Procedimentos para cancelamento de vouchers que ainda não entraram em vigência:

  • A) Solicitações entrando por Lojas, Telemarketing, Aeroportos ou via Executivos devem ser enviadas para [email protected]
  • B) Solicitações que entrarem pelo atendimento corretora ou diretamente pelo e-mail [email protected] seguirão os seguintes procedimentos:
    • 1. Os vouchers serão automaticamente reemitidos para 01/03/2021, no mesmo produto e com a mesma quantidade de dias do voucher original, dando aos passageiros um ano de prazo para definirem a nova data de viagem.
    • 2. Uma vez emitidos, os novos vouchers serão enviados aos seus respectivos destinatários com a mensagem abaixo:

 

Prezado Sr (a). XXXXXXXX (Nome de quem enviou a mensagem)

Diante do crescimento de casos do COVID-19 ao redor do mundo, a quantidade de pedidos de cancelamentos e alterações de viagem vem crescendo de forma exponencial. Ao mesmo tempo em que estamos preocupados em poder atender nossos passageiros, também estamos seguindo as orientações das áreas de saúde e, como forma de contenção do vírus no Brasil, parte de nossa equipe estará trabalhando de forma remota, no modelo “home-office”, o que não nos permite a agilidade necessária para atender a esta sobrecarga de pedidos dentro do prazo que gostaríamos.

Diante deste quadro e para não gerar prejuízos a nenhum cliente, informamos que todos os vouchers que entram por este canal, com pedido de cancelamento ou alteração, se ainda não possuem a data correta da nova viagem, estão sendo automaticamente reemitidos para 01/03/2021 nas mesmas condições do voucher atual.

Desta forma, você passa a ter um ano para definir sua nova data de viagem. Tão logo você tenha as datas corretas, basta entrar em contato com a ASSIST CARD e reemitiremos seu voucher sem nenhum custo adicional.

E se, até 01/03/2021 você ainda não tiver uma data definida, poderemos proceder com o cancelamento e devolução do seu crédito ou ainda remarcar o voucher por mais um ano, até 01/03/2022 sem nenhum tipo de prejuízo financeiro. Com esta medida você passa a ter um crédito de até 02 (dois) para usar os nossos serviços.

Entendemos que este momento é temporário e, tão logo tudo volte ao normal, você poderá programar seu próximo destino e viajar tranquilo com ASSIST CARD.

Todos os planos internacionais comercializados pelo Ita Seguro Viagem cobrem, na forma prevista nas condições gerais e limitada ao valor do capital segurado, atendimento médico/hospitalar emergencial.

O viajante que apresentar sintomas relacionados ao Coronavírus durante a viagem, deverá entrar em contato com a Central de Atendimento 24 da Seguradora, por telefone ou WhatsApp, solicitando atendimento.

Caso confirmado o diagnóstico de Coronavírus, o viajante receberá os cuidados médicos de acordo com protocolos internacionais e regras de saúde do local de destino.

 

TRAVEL ACE ASSISTANCE

A Travel Ace manterá total assistência médica para todos os passageiros em viagem. A Seguradora recomenda aos passageiros que apresentarem qualquer sintoma ou diagnóstico confirmado do novo Coronavírus, a entrarem em contato imediatamente com a Central de Assistência ao viajante da Travel Ace, através do canal de atendimento de sua preferência.

Em caso de diagnóstico positivo para o COVID-19, a Travel Ace seguirá os protocolos estabelecidos pelas autoridades locais de saúde, em conformidade com as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

A Travel Ace preza pela saúde e segurança de todos os nossos clientes, por isso a Travel Ace reafirma o compromisso em garantir tranquilidade.

A fim de continuar tranquilizar os clientes, a Travel Ace confirma que manterá total assistência médica para todos os nossos passageiros (primeiros sintomas). Agora se for confirmado o diagnóstico do novo coronavírus, a Seguradora recomenda que entrem em contato com a central de assistência. Isso é responsabilidade do governo do país.

A Seguradora ressalta que epidemia e pandemia são exclusões contratuais e portanto não há cobertura para acionar nenhuma cobertura de seguro de viagem.
“8.EXCLUSÕES PREVISTAS PARA TODAS AS GARANTIAS DO SEGURO: sem prejuízo de outras exclusões previstas em cada garantia do seguro, estão expressamente excluídos das Coberturas do seguro os eventos ocorridos em consequência.

Sobre cancelamento:
A Travel Ace afirma que cada caso é um caso. Sendo assim, sempre será necessário consultar a Seguradora.

Vouchers que não entraram em vigência são cancelados normalmente.

Veja abaixo o Controle de Fronteiras

Documentos necessários

Viagem doméstica

Em viagens nacionais ou para países do Mercosul (Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela), é obrigatória a apresentação de documento original com foto no ato do check-in nos embarques domésticos. Porém, não precisa necessariamente ser o Passaporte.

Atente para os documentos que podem ser utilizados, dependendo do tipo de passageiro:

Maiores de 18 anos: documento de RG em boas condições e com menos de 10 anos de emissão, carteira funcional com foto (como OAB, CRM, CREA, etc.). A Carteira de Motorista não é aceita para voos fora do Brasil.

Menores de 18 anos acompanhados dos pais: documento de RG em boas condições e com menos de 10 anos de emissão.

Viagem internacional

Para embarcar na maioria dos voos internacionais, é necessário ter passaporte. Porém, se o país de destino é membro do Mercosul ou tem acordo de viagem com o
Brasil (Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Venezuela e Bolívia), os documentos abaixo também podem ser utilizados: carteira de Identidade (RG); registro de Identidade Civil (RIC); cédula de Identidade de Estrangeiro expedida pela Polícia Federal (RNE).

Maiores de 18 anos: Passaporte com validade mínima de seis meses (ou conforme exigência do país visitado) ou documento de RG original em bom estado e com
emissão há menos de 10 anos.

Menores de 18 anos: passaporte ou documento de RG (certidão de nascimento não é aceita).

Lembre-se que passaportes corrompidos ou inválidos não podem ser documentos usados para cruzar a fronteira em nenhum caso. As autoridades recusarão a entrada do passageiro a bordo da aeronave, sem direito a reembolso.

Menores de 18 anos desacompanhados dos pais

Para voos nacionais, se a criança for viajar com os pais ou parentes até terceiro grau, é necessária a apresentação de RG ou Certidão de Nascimento, original ou cópia autenticada, assim como os documentos dos responsáveis comprovando parentesco ou autorização dos pais em duas vias autenticadas, expressando o período da viagem.

Para voos internacionais, o RG ou Certidão de Nascimento deve ser original. Em caso de viagem com apenas um dos pais ou com parentes, é exigida uma autorização assinada e autenticada em cartório dos pais faltantes, em duas vias. Os documentos são válidos pelo período determinado na autorização.

Visto

A emissão de vistos de entrada é de exclusiva competência e soberania de cada nação. Todo país utiliza diferentes critérios e exigências para a entrada e permanência de estrangeiros em seus territórios, não cabendo interferência de autoridades estrangeiras nessa questão. Cabe lembrar que os requisitos exigidos podem variar a depender do objetivo da viagem.

Portadores do passaporte brasileiro estão isentos de visto para viajar a turismo amais de 150 países do mundo. Isso não significa, no entanto, que não devem ser cumpridos requisitos para entrada em outros países. Certificados de hospedagem, comprovantes do objetivo da viagem, cartas-convite e bilhetes de retorno ao Brasil podem ser (e frequentemente são) exigidos pelas autoridades estrangeiras para entrada em outros países. Informe-se cuidadosamente, antes de viajar, da documentação necessária para entrada no destino escolhido. Ao chegar ao país, apresente todos os documentos às autoridades de fronteira.

Além do destino escolhido para a viagem, é necessário observar, ainda, a eventual exigência de visto em países de trânsito. Ainda que o destino final não exija visto de cidadãos brasileiros, é possível que o país de trânsito, se houver, solicite algum tipo especial de visto. Informe-se com antecedência dessa necessidade.

A lista a seguir contém informações sobre países e eventual necessidade de visto de turismo ou de negócios para cidadãos brasileiros que possuem passaporte comum. Requisitos para cidadãos brasileiros com passaporte diplomático ou oficial podem variar.

Cabe ressaltar, ainda, que a lista é meramente indicativa, uma vez que dados sobre vistos e entrada em outros países é matéria de decisão soberana dos Estados e pode
mudar a qualquer momento, sem nenhum tipo de aviso prévio. Portanto, para uma informação definitiva sobre eventual necessidade de visto para entrada em territórios estrangeiros, recomenda-se contato direto com a Representação diplomática do país em questão.

  •  Afeganistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  •  África do Sul: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Albânia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Alemanha: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Andorra: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Angola: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Antígua e Barbuda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 180 dias.
  • Arábia Saudita: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Argélia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Argentina: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Armênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Austrália: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Áustria: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Azerbaijão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bahamas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Bangladesh: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Barbados: Dispensa do visto de turismo por até 180 dias. Exige visto de negócios.
  • Bareine: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Belarus: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Bélgica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Belize: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Benin: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bolívia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Bósnia e Herzegovina: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Botsuana: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Brunei: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Bulgária: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Burkina Faso: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Burundi: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Butão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Cabo Verde: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Camarões: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Camboja: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Canadá: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Catar: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Cazaquistão: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Chade: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Chile: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • China: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Chipre: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Cingapura: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Colômbia: dispensa de visto de turismo, por até 180 dias e de negócios por até 90 dias.
  • Comores: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Congo, República Democrática (ex-Zaire): exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Cook Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Coréia do Norte: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Coréia do Sul: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Costa do Marfim: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Costa Rica: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Croácia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Cuba: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Dinamarca: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Djibuti: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Dominica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Egito: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • El Salvador: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Emirados Árabes: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Equador: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eritréia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Eslováquia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eslovênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Espanha: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Estados Unidos: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Estônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Eswatini: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Etiópia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Fiji, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Filipinas: dispensa de visto de turismo e negócios por até 59 dias.
  • Finlândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • França: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Gabão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Gâmbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Gana: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Geórgia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Dispensa de visto de negócios por até 1 ano.
  • Granada: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Grécia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Guatemala: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Guiana: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Guiana Francesa: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné-Bissau: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Guiné-Equatorial: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Haiti: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Honduras: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Hong Kong: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Hungria: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Iêmen: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Índia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Indonésia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Irã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Iraque: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Irlanda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Islândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Israel: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Itália: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Jamaica: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Japão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Jordânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Kirribati, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Kuaite: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Laos: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Lesoto: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Letônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Líbano: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Libéria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Líbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Liechtenstein: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Lutânia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Luxemburgo: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Macau: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Macedônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Madagascar: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Malásia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Malaui: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Maldivas, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Mali: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Malta: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Marianas, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Marrocos: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Marshal, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Maurício, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Mauritânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • México: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Micronésia: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Moçambique: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Moldávia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Mônaco: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Mongólia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Montenegro: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Myanmar/Birmânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Namíbia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios
  • Nauru: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios
  • Nepal: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Nicarágua: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Níger: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Nigéria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Noruega: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Nova Zelândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Omã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Países Baixos/Holanda: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Palestina (Autoridade): dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Panamá: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Papua Nova Guiné: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Paquistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Paraguai: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Peru: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Polônia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Portugal: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Quênia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Quirguistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Reino Unido: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 180 dias.
  • Rep. Árabe. Saaraui Democrática: dispensa de visto.
  • Rep. Centro Africana: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Rep. Dominicana: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Rep. Do Palau: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Rep. Tcheca: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Romênia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Ruanda: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Rússia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Salomão, Ilhas: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Samoa Ocidental: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 60 dias.
  • Santa Lúcia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • S. Cristovão e Nevis: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • São Martinho: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • São Tomé e Príncipe: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • São Vicente e Granadinas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Senegal: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 30 dias.
  • Serra Leoa: visto emitido de turismo e negócios à chegada, mediante pagamento de taxa de USD 80,00.
  • Sérvia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Seychelles, Ilhas: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Síria: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Somália: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sri Lanka: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sudão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Sudão do Sul: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Suécia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Suíça: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Suriname: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Tadjiquistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tailândia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Taiwan: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tanzânia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Timor Leste: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Togo: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Tonga: dispensa visto de turismo por até 30 dias. Exige visto de negócios.
  • Trindad e Tobogo: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Tunísia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Turcomenistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Turquia: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Tuvalu, Ilhas: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Ucrânia: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Uganda: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Uruguai: dispensa de visto de turismo e de negócios por até 90 dias.
  • Uzbequistão: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Vanuatu: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Vaticano: dispensa visto de turismo por até 90 dias. Exige visto de negócios.
  • Venezuela: dispensa visto de turismo por até 60 dias. Exige visto de negócios.
  • Vietnã: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Zâmbia: exige visto de turismo e visto de negócios.
  • Zimbábue: exige visto de turismo e visto de negócios.

 

Código de reserva/passagem aérea

  • Passagem eletrônica: a posse do código da reserva (localizador) ou do número eletrônico da passagem aérea é recomendada em qualquer caso. Ela permite acelerar o processo de check-in no aeroporto, e sua falta pode resultar na incapacidade de associar o nome da lista de passageiros com o nome nos documentos de identificação e, portanto, proibição da entrada no avião.
  • Passagem de papel: em raros casos, há uma necessidade de uma passagem aérea de papel, que é emitida pela companhia aérea. Essa retirada da passagem deve acontecer antes da partida, e a sua posse no aeroporto no momento do check-in é obrigatória, juntamente com documentos de identificação. A falta da passagem de papel nesses casos é uma base válida para recusar o embarque, sem direito a
    reembolso. Isso geralmente ocorre com companhias aéreas de baixo custo da Europa.

Outros documentos

Em algumas rotas e em determinadas circunstâncias, os passageiros são obrigados a terem documentos adicionais adequados, que devem ser mostrados para obter a autorização para embarcar no avião.

Grávidas

Todos os tipos de companhias aéreas permitem a viagem de mulheres grávidas. No entanto, existem diferenças de acordo com o tempo de gravidez da gestante. Toda mulher grávida deve consultar o médico antes do voo e, depois do sétimo mês de gestação, a gestante precisa solicitar atestado médico permitindo a viagem.

A passageira grávida não pode se esquecer de levar seus documentos pessoais, o atestado médico da gestante e o cartão pré-natal para o embarque. No aeroporto, será solicitada a assinatura de um termo de responsabilidade pela passageira grávida. o nono mês de gravidez, é exigido o acompanhamento de um médico. Cada companhia aérea tem suas especificidades, e é indispensável avisar da condição de gestante durante a compra de passagem aérea.

Até 27 semanas (para gravidez simples) ou 25 semanas (no caso de gêmeos): não é necessário apresentar nenhum atestado médico para viajar.

De 28 a 35 semanas (para gravidez simples) ou de 26 a 31 semanas (no caso de gêmeos), a gestante deverá preencher a Declaração de Responsabilidade, fornecida pela companhia aérea.
Do início da 36ª semana até o término da 37ª semana (para gravidez simples) ou início da 32ª semana até o término da 37ª semana (no caso de gêmeos), a gestante deverá apresentar atestado médico assinado com validade de 30 dias.
A partir de 38 semanas (para ambos os tipos de gravidez), é permitido o embarque da cliente gestante apenas em situação de extrema necessidade e acompanhada por um médico obstetra.

Viagens com animais

Em voos domésticos, você deve estar munido do Certificado Sanitário dos animais, conseguido por meio de uma consulta com seu veterinário de confiança e válido por três dias, por animal. No certificado, deve constar raça do animal, nome, origem do animal (informações do pedigree, se houver), avaliação geral, nome do dono, e carteira de vacinação em dia.

Destinos internacionais exigem que os animais também tenham um tipo de visto, o Certificado Veterinário Internacional (CVI). Para consegui-lo, é necessário marcar uma consulta com um veterinário do Ministério da Agricultura que atenda no aeroporto do voo de origem e levar o Certificado Sanitário completo. Para alguns destinos, principalmente europeus e Japão, é preciso que seu animal tenha um microchip nos padrões ISO 11784 e ISO 11785.
A permanência de animais dentro da cabine de passageiros só é permitida embaixo da poltrona. Normalmente, as empresas aéreas aceitam apenas um ou dois animais dentro da cabine. Uma vez que esse número seja atingido, os outros passageiros com animais devem despachá-los pela bagagem de porão. Cada companhia aérea tem sua particularidade, e que é essencial avisar da necessidade desse transporte de animais na hora da compra de passagem.

Sobre Cão-guia: O animal deve ser transportado com coleira gratuitamente e ao lado do assento do dono, no chão da aeronave. A necessidade desse transporte de animal deve ser comunicada com antecedência à companhia aérea e o assento é escolhido pela própria companhia. O dono deve estar munido de toda documentação do animal. O mesmo serve para qualquer outro animal-guia.

Transportes de arma de fogo

O embarque de pessoas portando armas de fogo é restrito aos servidores do governo, controle realizado no aeroporto pela Polícia Federal. No caso de despache da arma de fogo na bagagem, o procedimento para civis é a do Porte Federal de Arma de Fogo, também fiscalizado pela Polícia Federal. Para competidores de tiro esportivo, o Guia de Tráfego Especial (GTE) é fornecido pelo Exército Brasileiro apenas a esportistas registrados.

Crianças desacompanhadas
Os pais ou responsáveis da criança que viaja desacompanhada devem preencher um formulário adequado, disponível no site da ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil. O formulário contém a declaração do transporte da criança pelas companhias aéreas e a autorização para recolher a criança por uma pessoa designada no aeroporto de destino. É necessário preencher digitalmente, imprimir e assinar o documento, além de reconhecer
firma em cartório.

Uma criança que viaja sob os cuidados dos funcionários da aeronave deve ter mínimo de quatro ou cinco anos, dependendo da companhia aérea. Em alguns voos, o limite da idade para as crianças que podem viajar desacompanhadas é maior.

Os regulamentos da companhia aérea determinam se uma criança pode viajar sozinha, sem a supervisão de um adulto. As transportadoras definem a idade mínima individualmente. Por isso, antes de comprar a passagem, verifique se a criança será autorizada a viajar sozinha.

A informação de que a criança viajará desacompanhada, com a ajuda dos funcionários do voo, deve ser dada com antecedência, entrando em contato com a companhia aérea. Durante a reserva do serviço adicional de cuidado, será preciso o documento de identidade da criança (passaporte ou cédula de identidade temporária). Há uma taxa de menor desacompanhado por trecho e por criança, cobrada pela companhia aérea (taxa de acompanhamento).

Se o seu filho tem entre 16 e 18 anos incompletos, ele poderá viajar sozinho, basta apenas apresentar documento legal de identificação com foto que comprove a idade.

Se o seu filho tem entre 5 e 15 anos e 11 meses, se faz obrigatória a autorização da vara da Infância e da Juventude. Essa autorização deve ser solicitada pelo responsável legal que levará a criança no aeroporto. Nessa autorização, deverá constar todos os dados da criança, do responsável legal e também do responsável em recebê-la no aeroporto de destino, bem como todos os dados do voo (data, horário, companhia aérea e número do
voo). Essa autorização deverá ser entrega na loja da companhia aérea diretamente no aeroporto do embarque. O responsável também preencherá autorização interna da companhia aérea.

Para crianças entre 5 e 12 anos de idade é obrigatório contratar o serviço de menor desacompanhado. Isso significa que, durante o voo, o menor será supervisionado por um funcionário da companhia aérea, desde o momento do check-in até a entrega ao responsável que estará no destino. Para isso, há cobrança de taxas que variam por trecho. Crianças menores de cinco anos não poderão viajar sozinhas, somente acompanhadas por
responsável legal ou parente de primeiro grau (avós, tios e irmãos).

Observações importantes e complementares a respeito de alguns países:

Estados Unidos
Certos países, incluindo os E.U.A., exigem documentação de saída. Fique ciente de que esses requisitos podem ser diferentes dos requisitos de documentação de viagem necessária para entrada no país de destino e para trânsito em um país.
As leis dos E.U.A. exigem que todos os passageiros, independentemente de cidadania, idade ou destino, tenham um documento seguro para deixar o país via aérea (itinerário de ida ou ida e volta). Um documento seguro significa um passaporte, cartão de residência permanente nos E.U.A., documento de viagem de pessoas apátridas ou refugiadas, permissão de regresso, cartão NEXUS, cartão de Marinheiro Mercante dos
E.U.A., identificação militar ou documentos de viagem de emergência emitidos por um consulado ou uma embaixada. Cartões de passaporte dos E.U.A. não são válidos para viagens aéreas fora dos Estados Unidos

O formulário I-94 forma aplica-se a todos os cidadãos não norte-americanos que entrarem nos E.U.A., exceto os seguintes passageiros:

  • Cidadãos dos E.U.A.
  • Estrangeiros residentes
  • Cidadãos canadenses
  • Cidadãos não norte-americanos que entrarem nos Estados Unidos pelo Programa de Isenção de Visto (VWP)

O CBP (Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA) automatizou o Registro de Chegada/Partida do formulário I-94 para acelerar o processo de entrada de visitantes internacionais nos E.U.A.
O CBP digitalizará o passaporte do passageiro, o que dará origem a um registro eletrônico de chegada preenchido com os dados anteriormente exigidos no formulário I- 94 impresso. Os passageiros não precisarão executar outra ação diferente ao deixarem os E.U.A. A partida será registrada eletronicamente com as informações fornecidas pela companhia aérea ou pelo CBP.

As regulamentações dos E.U.A. exigem que os passageiros sempre cumpram com os procedimentos de alfândega e imigração no primeiro ponto de entrada nos E.U.A. Os passageiros precisam estar portando todos os documentos exigidos na entrada, mesmo que os E.U.A. não sejam seu destino final. Se os passageiros tiverem mais de uma escala nos E.U.A., não será necessário passar pela alfândega novamente.

Austrália
Se estiver viajando para a Austrália, você deve ter um passaporte válido e também pode precisar de um visto ou um ETA (Electronic Travel Authority). O Electronic Travel Authority (ETA), fornece autorização para viajar para e entrar na Austrália e está vinculada eletronicamente ao seu passaporte. Ele serve para estadias de curta duração, para atividades de turismo ou negócios, como assistir a uma conferência, fazer consultas de negócios ou negociações contratuais. Ao chegar na Austrália, muitos passageiros poderão usar o quiosque de controle de passaporte automático, SmartGate, que oferece opções de processo de autoatendimento para o controle de passaportes. Eles usam a tecnologia de reconhecimento facial e seu ePassport para verificar sua identidade.

  • Se você planeja transportar dinheiro ao entrar ou sair da Austrália, deve cumprir com os seguintes regulamentos:
  • Se for solicitado por um agente da alfândega ou da polícia, você deverá informar cheques, cheques de viagem, ordens de pagamento e todos os outros instrumentos negociáveis de qualquer quantia.
  • Você sempre deve informar quantias em dinheiro iguais ou superiores a AUD 10.000 (ou o equivalente em moeda estrangeira) usando um formulário disponível na alfândega. Observe que não há limite de valor em dinheiro a ser transportado para dentro e para fora da Austrália.

Canadá
A partir de 15 de março de 2016, os passageiros que não necessitam de visto para o Canadá devem solicitar uma autorização eletrônica de viagem (eTA) para voar para o país. Os requisitos de entrada permanecerão inalterados para todos os outros métodos de viagem. Observe que os cidadãos norte-americanos não necessitam de eTA ou visto, mas residentes permanentes nos E.U.A. precisam solicitar um eTA antes de voar para o
Canadá.

Desde 18 de junho de 2007, de acordo com o regulamento, as empresas aéreas são obrigadas a implementar o Programa de Proteção de Transporte para Passageiros do Canadá. Todos os passageiros maiores de 12 anos devem fornecer identificação para que seja comparada a uma lista de passageiros específica. Devido a esse regulamento de transporte do Canadá, todos os passageiros em voos que saírem ou chegarem ao Canadá devem mostrar uma identificação no portão de embarque.

Honduras
A Autoridade de Imigração Hondurenha implementou um processo de registro biométrico dos passageiros, que inclui um formulário de alfândega e imigração disponível on-line e que deve ser preenchido antes da chegada a Honduras. Os passageiros não precisam mais preencher os formulários de imigração impressos, podendo preencher o formulário pré-cadastramento no site do Instituto Nacional de Imigração de Honduras.

Nova Zelândia
Se estiver viajando para a Nova Zelândia e for cidadão dos E.U.A., Canadá ou outros países com isenção de visto, você precisará de um NZeTA (New Zealand Electronic Travel Authority) para entrar no país a partir de 1.º de outubro de 2019. A aprovação do NZeTA pode levar até 72 horas para ser concedida, portanto, recomendamos que você o solicite ao reservar sua viagem ou assim que possível.

Reino Unido
A Polícia de Fronteira do Reino Unido oferece o programa de registro de viajantes para acelerar o processo de entrada no Reino Unido para viajantes internacionais pré-aprovados de baixo risco. Os participantes do programa se beneficiarão de um trânsito mais rápido pelo aeroporto, incluindo a possibilidade de usar os portões de passaporte eletrônico caso tenham o passaporte biométrico ou usar as filas designadas aos cidadãos da UE/EEA, reduzindo significantemente o tempo de espera ao entrar no Reino Unido.

Referências:

  • https://www.united.com/ual/pt/pt/fly/travel/documentation-requirements/international.html
  • https://www.edestinos.com.br/dicas-de-viagem/passagens-aereas/documentacao-e-visto/documentos-necessarios
  • http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/alertas
  • http://ereminas.itamaraty.gov.br/pt-br/informacoes_importantes_-_coronavirus_(covid-19).xml
  • https://www.remessaonline.com.br/blog/o-que-fazer-com-seu-projeto-no-exterior-em-tempos-de-pandemia/
  • https://www.eta.homeaffairs.gov.au/ETAS3/etas
  • http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/tabela-de-vistos-para-cidadaos-brasileiros

*Nota:

  • As informações aqui disponíveis são de responsabilidade dos próprios autores.
  • A Voetur não é autora dos documentos aqui publicados. Garantimos, porém, que todos os documentos são originais e obtidos diretamente junto às empresas ou entidades produtoras dos conteúdos.
  • Para informações atualizadas sobre os documentos aqui publicados, recomendamos contatar o produtor do conteúdo.